Boas castas, grandes vinhos.

Boas castas, grandes vinhos.

Os vinhos feitos a partir de uma só variedade de uva são melhores do que os que resultam de um lote de várias castas?

A tradição do “velho mundo” é fazer vinhos através da combinação de várias castas, exceto na Borgonha, onde os brancos são de Chardonnay e os tintos de Pinot Noir. Este modelo foi copiado pelo “novo mundo”, onde o nome da casta passou a figurar no rótulo, e o conceito de vinho varietal se impôs. Tem a virtude de apresentar a casta na sua plenitude. Mas não há castas perfeitas em todas as suas componentes e o vinho de lote permite fazer compensações e retirar de cada uma o melhor que tem para dar. Escolha cada qual à medida do seu gosto. Uma coisa é certa: sem boas castas não se fazem grandes vinhos, estejam elas sós ou acompanhadas.

Adicionar comentário

O seu email não vai ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *