Um Vinho Verde não é um vinho verde. Certo?

Um Vinho Verde não é um vinho verde. Certo?
Aliás, um Vinho Verde pode ser tinto, branco ou rosé. E pode, inclusive, ser espumante.
Mas uma coisa é sempre certa, a respeito do Vinho Verde: trata-se de um vinho português.
Aliás, trata-se de um vinho único no mundo, produzido exclusivamente numa região específica de Portugal.
Mas então, se o vinho não é verde, de onde vem o nome Vinho Verde?
A versão mais difundida pelos próprios produtores diz que o nome se deve ao facto da região demarcada para a produção desse vinho, no noroeste de Portugal, ser exuberantemente verde! O clima húmido e o alto índice pluviométrico do Minho, de facto, transformam a paisagem, deixando-a linda e verde.
Mas, também, existe uma outra versão, que diz que o nome Verde se deve ao estilo fresco e leve do vinho, em alusão ao seu caráter jovem.
E existe, ainda, uma terceira versão, segundo a qual o elevado teor de acidez do vinho o faz parecer ter sido produzido a partir de uvas colhidas antes do tempo, ou seja, com uvas verdes. Mas a verdade é que as uvas são colhidas na data exata em que atingem o ponto de equilíbrio dos taninos, ácidos, açúcares, matérias corantes e compostos aromáticos. E, também, na data exata em que os bagos atingem o seu peso máximo.
Mas essa acidez marcante dos Vinhos Verdes existe de verdade. E seu efeito na língua é chamado de “agulha”.
E é essa acidez que resulta de vinhas extremamente vigorosas, com ácido málico extraordinariamente alto e níveis de açúcar natural da uva relativamente baixos, que também explica o baixo teor alcoólico dos vinhos verdes.
Alguns apreciadores de vinho, injustamente, torcem o nariz para o Vinho Verde, posicionando-os como cheios de gás, muito adocicados e exageradamente ácidos. Isso não é verdade, pois o investimento da região dos Vinhos Verdes em novas vinhas e em novos sistemas de condução de vinhas, aliado a uma nova geração de enólogos, mais ousados, e à profissionalização geral do mercado, mudou muito o Vinho Verde, em questão de duas décadas!
É comum, hoje, encontrarmos Vinhos Verdes complexos e ricos em aromas, mas que continuam a ser frescos e leves, como devem!
Então, aproveitem para apreciar um Vinho Verde. Prove o Mirus!!!!

Adicionar comentário

O seu email não vai ser publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *